Há 25 pontos de observação espalhados em São Paulo, Minas Gerais e Espírito Santo

Melhoramento genético auxilia na qualidade e na ampliação da fruticultura do País

RS concentra cerca de 57% do plantio de pessegueiros


O Rio Grande do Sul é o maior produtor de pêssegos do Brasil. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Estado concentra cerca de 57% do plantio de pessegueiros. No Estado, está também o maior núcleo de pesquisas da fruticultura. A Embrapa Clima Temperado, em Pelotas, se dedica ao desenvolvimento de tecnologias para os agroecossistemas do Sul do País.

A frente do setor de pesquisas está Maria do Carmo Bassols Raseira. Desde que se formou em Agronomia pela Universidade Federal de Pelotas, no ano de 1968, a pesquisadora se dedica ao melhoramento vegetal. Com mestrado em fruticultura pela Universidade de Arkansas, nos Estados Unidos e doutorado em Ciência Vegetal pela mesma universidade, Maria do Carmo comanda a equipe de pesquisa da Embrapa Clima Temperado formada por seis pessoas. O grupo, se dedica ao melhoramento genético na cultura do pessegueiro. São realizados cruzamentos entre materiais genéticos que se complementam com características de qualidade. A partir disso, cultivares são feitos com adaptação às condições climáticas de diferentes regiões persícolas do País.

Atualmente, é prioridade da equipe ampliar a qualidade das frutas colhidas nos extremos das safras. Isso porque, é grande a concentração de materiais que crescem entre novembro/dezembro. Ou seja, as frutas colhidas no período inicial (outubro) tendem a ser mais amargas, já que florescem em um período frio. O mesmo acontece com as frutas do final da colheita (janeiro) essas por sua vez sofrem com a alta incidência de fungos, por enfrentar grandes períodos chuvosos.

Segundo a pesquisadora, a parceria com especialistas de outros estados é fundamental para desenvolver esses materiais. A central de estudos está localizada em Pelotas, porém, a Embrapa possui uma rede de unidades de observação, ao todo, existem 25 pontos espalhados entre os estados de São Paulo, Minas Gerais e Espírito Santo. Nesses locais, os materiais genéticos são expostos para verificar sua adaptação à chuva. Além dos pesquisadores, a Embrapa conta com o auxílio de produtores locais. A unidade também se dedica a outras variedades de pêssegos, como nectarinas, uma fruta pouco comum no Brasil, isso porque, as sementes são importadas, o que resulta em uma fruta mais ácida. *Jornal do Comércio

Comments

SEE ALSO ...